segunda-feira, 30 de julho de 2012

RASTROS

Rastro teus olhos nos meus e caminho.
Me desalinho na direção do tempo,
coalhando a ilusão dos instantes
por um mero momento,
rastejando pelas tardes
feito serpente de Eva viva.

Rubro o teu corpo no meu e singro.
Velejando em rio e mar,
molhando o tom natural das cores
dos destinos que eu sigo, sem me afogar,
dançando pelas frestas dessas manhãs,
como quem recebe a semente de Adão e sente.

Resta tua boca colada na minha,
Os teus olhos morando nos meus,
teu passo marcando os meus passos,
meus passos marcando os teus.

Um comentário:

  1. Poxa, que poema incrível. Cheio de sentimentos e emoções... Muito bom.
    Adorei a forma como você fez a referência entre Adão e Eva, falando da semente e da serpente. Incrível, incrível, incrível.
    Parabéns Anielli, teu blog é muito bom, continue assim!
    Entrevista com a banda #ROAM, não deixe de conferir http://bit.ly/N7cU6B

    ResponderExcluir