terça-feira, 29 de maio de 2012

LIVRO DAS REVELAÇÕES


Nas frias madrugadas de neve, póstumas ruas em névoas evolam-se.
Nos passos misturam-se as águas do homem e vive-se.
O homem é por direito total, aquilo que traz e diz,
e suas vestes são as vestes de uma bandeira que o traduza.
O homem é o que olha e o que molha os seus olhos,
é o que escorre pelo rosto em dias de guerra quente,
é o que sente do avesso e ao contrário diante dos espelhos.
O homem necessita mais de amores que de sexos,
mais de sexos, que de naufrágios,
muito mais ainda de refúgios,que de enganos.
É necessário que se reaprenda o caminho do fogo,
que se abra caminho as salamandras
para que iluminem os dias mais tristes do homem
e ele descubra onde está o chão que o faz voar, outra vez.
O homem precisa mais dos saltos, que das estrelas,
mais gestos e menos delírios, mais coro e menos eco,
e nas frias madrugadas de neve, o homem precisa de sapatos,
para que possa andar em segurança entre os ratos,
enquanto dissipam-se as nuvens devagar
sobre o sombrio e profundo alto mar,
no úmido tragar do inverno.
Na verdade...E o que seria?
O homem precisa de uma xícara para tomar seu conhaque,
de um fraque para usar uma vez na vida,
e de uma cadeira confortável para assentar a bunda fria.

2 comentários:

  1. Olá Anielli, como vai? Em minhas andanças, encontrei teu blog, e me apaixonei por ele. Seus poemas são ótimos, estão entre os melhores que já vi. Parabéns mais uma vez, a partir de agora serei mais uma singela fã em sua página.
    Caso queira conhecer meu trabalho, eis aqui o link. Abraço, paz à você
    http://daquioitentaanos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Layla seja bem vinda e muito obrigada pelo seu carinho. Vou mexer nas suas coisas tbm. Pode deixar. rsrsrsr

    ResponderExcluir