quinta-feira, 5 de abril de 2012

RESPOSTA

Exagero, é não querer falar do vento, do tempo que me acorda toda manhã, com seu afã de me ver viver. Exagero, meu caro senhor, é não ter amor pra sentir no peito, pulsando em uma tarde de domingo, quando o ócio te visita em frente a TV. Exagero, é ocultar dentro de si mil lamentos e não deixa-los sair, não deixar-se levar pela maravilha do pranto. Exagero, é experimentar apenas o que se vê, como se não houvesse nenhum sentido em crer. Exagero, é não sofrer as demoras, não voltar, não ir embora, permanecer sempre ligado ao mesmo farol, sem enxergar a luz do sol. Exagero, é não compreender propostas, não aceitar nenhuma resposta que não uma só verdade absoluta, é fazer de uma pequena luta uma guerra estúpida, é achar que poesia não pode ser lúdica. Exagero, é fazer sofrer o outro por puro prazer, é deleitar-se com o sentimento alheio como se fosse brinquedo tosco, é tapar o rosto diante do que é importante, é usurpar as regras do bem querer, sendo vil e arrogante. Exagero, é ferir seu semelhante. Exagero, é perpetuar o ego, de uma forma desmedida, é não experimentar realmente o sabor da vida. Exagero, é fazer prevalecer seus caprichos,amargando em si mesmo, seus próprios e tolos vícios. Exagero, é tornar-se refém do nada, fazendo da sua estrada apenas um caminho sem sentido. Exagero, é não sofrer por amor, não ter uma paixão pra sentir doer, não ter o que lembrar, nem o que esquecer. Exagero é viver assim, sem saber morrer, é ter o ego maior que o corpo, engolindo a alma desse jeito torto, fazendo tudo ao redor parecer pequeno demais. Exagero, é não conhecer a paz de ser, muito mais que apenas existir. Exagero, é apenas querer, sem de fato conseguir. Exagero, meu caro amigo, é achar que transgride, sem jamais verdadeiramente transgredir, é fazer chorar e abster-se do prazer divino de ver sorrir. Exagero, é nunca terminar o que começou. Exagero, é cuspir na mão que o alimentou e depois de tudo vomitar aquilo que desejou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário