sexta-feira, 6 de abril de 2012

MIL PERDÕES

Me perdoa pela falta de tato

Com a sua fotografia no porta retratos?

Se eu mandar um bando de ratos

Roerem suas roupas

Você me perdoa?

E se eu quebrar todas as louças

Da sua casa e revirar seus armários?

Se eu mandar um advogado a sua porta

Cobrar honorários

Pelo tempo que perdi com você?

Você vai conseguir compreender?

Me perdoa pelas vezes em que te xinguei,

Pelas pragas que eu roguei,

Pelas pedras que atirei

E por aquelas que sei ainda vou atirar?

Por tudo o que eu disse

E pelo que nunca foi dito,

Pelo que vou escrever

E pelo que já foi escrito?

Se eu mandar matar você

Dentro de mim,

Você me perdoa mesmo assim?

Se eu arrancar você da cama

A tapas e arranhões, beliscões e palavrões,

Em gritos histéricos no auge da loucura?

Se eu quebrar seus dentes

E você tiver que gastar com próteses e dentaduras?

Se eu pichar no muro da sua casa

Em letra de imprensa:

“Aqui mora um homem com sua frieza imensa!”

Ou então

“Não se aproxime! Amar esse homem pode causar

Danos a sua saúde mental

E deixar sequelas em seu fundo emocional.”

E se eu ligar as três da manhã

Para em um afã te chamar de covarde,

Egocentrista,monstro narcisista, machista,

Estupido,burro,porco chauvinista e manipulador,

Você me perdoa, amor?

Mas no fim,

O que sobra pra mim é o fato

De eu nunca o perdoar

Por não teres me amado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário